Bullying Corporativo

Definido como um comportamento persistente e repetitivo que visa humilhar, intimidar ou prejudicar um indivíduo, o bullying pode se manifestar de várias formas, incluindo assédio verbal, psicológico, intimidação e sabotagem profissional.

0
764

Bullying Corporativo.

Bullying Corporativo: consequências e medidas preventivas

O bullying no ambiente de trabalho é um problema crescente que afeta a saúde mental e a produtividade dos funcionários.

Definido como um comportamento persistente e repetitivo que visa humilhar, intimidar ou prejudicar um indivíduo, o bullying pode se manifestar de várias formas, incluindo assédio verbal, psicológico, intimidação e sabotagem profissional. De acordo com pesquisas, cerca de 30% dos trabalhadores experienciam algum tipo de bullying durante suas carreiras, resultando em sérios impactos tanto para as vítimas quanto para as organizações.

A psicóloga Soraya Lopes detalha as diversas facetas do bullying no ambiente de trabalho e sugere estratégias para sua prevenção e combate. “O bullying não apenas afeta a vítima, mas também toda a organização, reduzindo a produtividade, aumentando o absenteísmo e criando um clima de medo e desconfiança”, explica Soraya.

Os sinais de que um funcionário pode estar sofrendo bullying incluem mudanças de comportamento, redução na produtividade, afastamentos frequentes e sintomas físicos como dores de cabeça e insônia. Soraya destaca que os impactos podem ser profundos, levando a depressão, ansiedade, estresse crônico e até síndrome de burnout.

Bullying Corporativo

Bullying Corporativo

Para combater o bullying, Soraya sugere a implementação de políticas claras, treinamentos regulares, canais de denúncia e apoio psicológico. “É essencial que as empresas estabeleçam um ambiente onde os funcionários se sintam seguros para denunciar e buscar ajuda”, diz a psicóloga.

Além dos impactos individuais, o bullying no ambiente de trabalho pode comprometer a eficácia das equipes e a reputação da empresa. Um ambiente tóxico desencoraja a colaboração e a comunicação aberta, elementos essenciais para a inovação e resolução de problemas. “Quando os funcionários temem represálias ou humilhação, a confiança é corroída e a moral da equipe cai significativamente”, observa Soraya. Essa atmosfera negativa pode levar a uma alta rotatividade de funcionários, o que aumenta os custos com recrutamento e treinamento de novos colaboradores.

Ambiente de trabalho saudável.

Por fim, Soraya também enfatiza a importância da liderança na criação de um ambiente de trabalho saudável. “Os líderes têm um papel crucial em modelar comportamentos respeitosos e em estabelecer uma cultura de zero tolerância ao bullying”, afirma. Assim, ela sugere que os gestores recebam treinamento específico para identificar e lidar com situações de bullying, promovendo um ambiente inclusivo e solidário.

Além disso, incentiva a adoção de programas de bem-estar que abordem a saúde mental, oferecendo recursos como sessões de terapia e workshops sobre resiliência. Igualmente, gestão de estresse. “Ao investir no bem-estar dos funcionários, as empresas não apenas previnem o bullying, mas também cultivam um ambiente onde todos podem prosperar”, conclui a psicóloga.

 

 

 

Fonte: Assessoria de Imprensa / Elisangela Evangelista
Fotos: 
Divulgação  / Assessoria Soraya Lopes
Edição: Redação Na Mídia

Então, não deixe de ler:Tenor Felipe Menegat realiza show em prol do RS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui