Até 2040 poluição plástica nos oceanos pode triplicar

Pesquisa oferece soluções para reduzir poluição em mais de 80%

1
Até 2040 poluição plástica nos oceanos pode triplicar

Até 2040 poluição plástica nos oceanos pode triplicar

A quantidade de resíduo plástico fluindo para os oceanos e matando a vida marinha pode triplicar nos próximos 20 anos.

A menos que empresas e governos consigam diminuir drasticamente a poluição provocada pelo produto, mostrou estudo publicado nessa quinta-feira (23).

Máscaras nas praias

O consumo de plástico descartável aumentou durante a pandemia do novo coronavírus, de acordo com a organização não governamental (ONG) Associação Internacional de Resíduos Sólidos.

Máscaras e luvas de látex estão indo parar dessa forma, em praias remotas da Ásia todos os dias.

Aterros sanitários de todo o mundo estão recebendo quantidades absolutamente recordes de embalagens de comida e de outros tipos de produtos entregues em domicílio.

Até 2040 poluição plástica nos oceanos pode triplicar

A nova pesquisa, produzida por cientistas e especialistas da indústria para o The Pew Charitable Trusts e a Systemiq, oferece soluções que poderiam cortar em mais de 80% o volume projetado de plástico nos oceanos.

Até 2040 poluição plástica nos oceanos pode triplicar

O roteiro para conter a crise desenfreada de resíduo plástico lançado nos oceanos é um dos mais detalhados portanto, já apresentados em estudo.

No entanto, se nenhuma ação for tomada, a quantidade de plástico seguindo para os mares a cada ano aumentará de 11 milhões de toneladas para 29 milhões, deixando um acúmulo de 600 milhões de toneladas à deriva nos oceanos até 2040 – peso equivalente a 3 milhões de baleias-azuis, segundo o estudo publicado no periódico científico Science.

“A poluição plástica é algo que afeta a todos. Não é algo do tipo ‘o problema é seu, não meu’. Não é problema de um país.

É problema de todos”, disse Winnie Lau, gerente-sênior do Pew e coautora do estudo. “Vai piorar se não fizermos nada”.

A quantidade de resíduo plástico produzido anualmente vem aumentando rapidamente desde 1950. Em 2017, estava em 348 milhões de toneladas, e deve voltar a dobrar até 2040, estima o documento.

Fonte: Joe Brock/Reuters – Singapura

Foto: Martine Perret/ONU Meio Ambiente

Leia também: Interpretador digital de Libras é adotado na Agência Brasil

1 COMENTÁRIO

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here