Grupo da CONIB de mulheres ativistas

A convite de um grupo de mulheres ativistas da comunidade, 17 pessoas não-judias participaram de uma visita ao Memorial do Holocausto, em São Paulo

0
411

Grupo da CONIB de mulheres ativistas.

Grupo da CONIB de mulheres ativistas promove visita educativa ao Memorial do Holocausto

A convite de um grupo de mulheres ativistas da comunidade, 17 pessoas não-judias participaram de uma visita ao Memorial do Holocausto, em São Paulo, no dia 3 de abril, quarta.

Todos foram recebidos pelos rabinos David e Toive Weitman e pela coordenadora educacional do Memorial, Sarita Mucinic Sarue. O evento contou ainda com a presença de Vicky Safra, presidente da Associação de Amigos de Yad Vashem no Brasil, e de Cris Monteiro, vereadora.

Denise Antão, coordenadora do grupo, conta que o presidente da CONIB, Claudio Lottenberg, sugeriu que mulheres da comunidade se tornassem “embaixadoras” no combate ao antissemitismo após os ataques terroristas do Hamas a Israel no dia 7 de outubro. Ela explica que influência das mulheres em seus espaços de atuação é fundamental, e por isso a visita contou com a presença de convidadas de fora da comunidade.

Grupo da CONIB de mulheres ativistas

Grupo da CONIB de mulheres ativistas

“A maior arma que nós temos contra o discurso de ódio é a educação. Por isso convidamos as embaixadoras a chamarem amigas de fora para fazer essa visita e transmitir o que viram em seus círculos”.

Em discurso marcante, Vicky Safra compartilhou a história dos sobreviventes do Holocausto de sua família. Igualmenbte, reforçou a necessidade de manter-se alerta no presente para combater o ódio. “Os acontecimentos do dia 7 de outubro são um sombrio lembrete de que o ódio e o antissemitismo podem renascer a qualquer momento”.

Becky S. Korich, diretora da CONIB, parabenizou a iniciativa. “A ideia é maravilhosa. Eu trouxe uma amiga que não conhecia o Memorial e ela ficou muito impactada”, afirma.

­­Em janeiro deste ano, a CONIB lançou a plataforma  https://combateaoantissemitismo.org.brcomo. Ou seja parte de um projeto amplo e inédito de combate ao antissemitismo e ao discurso de ódio no Brasil.

Ancorada em pilares como educação, pesquisa e monitoramento, legal e advocacy, a iniciativa reúne ferramentas. Além de conteúdos para monitoramento e combate ao discurso de ódio no país.

 

 

 

 

Fonte: Assessoria de Imprensa
Fotos: Divulgação
Edição: Redação Na Mídia

Então, não deixe de lerPrevidência privada em 2024

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui