Cantor Leo na edição do On Music Festival .  No dia 26 de outubro, o cantor Leo e sua banda fizeram um show na primeira edição do On Music Festival com a atração internacional Akon é o rapper americano que ficou conhecido em 2004 após o lançamento de seu álbum solo “Trouble” com destaques para os singles “Locked Up” e “Lonely”.

Já em 2006, ficou conhecido mundialmente ao chegar no topo da billboard novamente, emplacando 4 hits de um só vez com o seu segundo álbum “Konvicted”, que contaram com músicas de sucesso como: “Smack That” com o rapper Eminem, “Don’t Matter” “Sorry, Blame it on me” e “I Wanna Love You”.

O rapper também é conhecido por realizar trabalhos com vários artistas, tendo mais de 155 participações com grandes nomes como: David Guetta, Snoop Dogg, Lil Wayne, Young Jeezy, Colby O’Donis, Eminem, Pitbull, Flo’rida, entre outros, no estádio do Canindé, onde se apresentaram também Bruno Martini, Mc Kevinho, Blackout, Sandeville, Gbr, Kevinho, Kefing, Bauer, Ruchir além dos americanos Hombre e Zodiac.  

Cantor Leo na edição do On Music Festival

No dia 24 de janeiro de 2020, Leo irá fazer o show de abertura do rapper Tyga, no Flow Festival Music que acontecerá no pavilhão do Anhembi.

Cantor Leo na edição do On Music Festival

O rapper Tyga alcançou a fama com seu segundo álbum Careless World: Rise of the Last King em 2012, após participar do álbum We Are Young Money em 2011 com os demais artistas da Young Money e da mixtape Fan of a Fan com Chris Brown.

Seu álbum chegou ao número 4 da Billboard 200 e incluía os singles “Faded”, “Far Away”, “Make It Nasty”  e o sucesso Rack City que chegou ao número 7 na Billboard Hot 100 nos Estados Unidos.

Ele lançou seu segundo álbum Hotel California em 2013, chegando ao número 7 na billboard 200.

Cantor Leo na edição do On Music Festival

Biografia LEO

“A minha trajetória com a música começa aos 15 anos, encontrei o violão de um amigo do meu pai no nosso porão. 

Ele estava todo destruído e detonado, peguei e comecei a tocar com ele todo destruído mesmo, tinha apenas três ou quatro cordas.

Comecei a tocar nele todo desafinado, pois eu não sabia afinar violão. E tocava assim mesmo! 

Depois dei um trato nele e deixei ele todo bonitão, é um Hoffman branco.
Fiquei sem estudar um ano, pelo fato de termos tido um problema de muitas mudanças.

Estávamos indo passar uma temporada nos Estados Unidos e ficamos no vai e não vai durante um ano.

Então fiquei este ano inteiro estudando violão. Era eu e o violão. E, foi assim que aprendi a tocar.

Depois fui para os Estados Unidos fazer o primeiro ano do High School, com 16 anos e me identifiquei muito com a cultura negra americana, porque foram eles que me acolheram na escola.

Depois deste um ano, voltei ao Brasil e decidi que queria cantar. Comecei a estudar música e a escutar de tudo! Todos os músicos icônicos – Phil Collins, George Benson, Chet Baker, Queen, os reis da parada! Gosto muito também de Double You.

Uns dois anos depois, com 17 anos, encontrei um teclado na casa da minha avó que estava abandonado também – a mesma história do violão.

Daí peguei, pesquisei na internet, comecei a tocar o teclado e a partir daí fui me aprimorando.

E no começo deste ano, peguei uns equipamentos para eu poder produzir minhas músicas, fazer minhas coisas, porque nunca tinha tido a oportunidade de fazer isso antes, porque eu estava trabalhando e me preparando.

Meu pai sempre falou que eu tinha que fazer isso por conta própria até realmente estar razoável.

E, no momento que eu fiquei meio confortável com os instrumentos, consegui arrumar um computador com um “garage band” e produzi minhas primeiras músicas – “Dark Special”, “She Knows”, “Dangerous Game”, “Wait For You” e fiz um remake para a música “La Mentira”.

Peguei o computador, no começo deste ano e há um mês ou dois meses atrás peguei o “Logic” que é um software mais profissional e estamos aí trabalhando, entregando, abrindo shows e essa é a minha trajetória.”

Ele também compôs uma musica em português que o grupo de rap 1 kilo gravou.

Leia ainda Mágico e encantador “Expresso Noel”, 4º Edição

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui