Entenda por que falas comuns podem banalizar a bipolaridade

Psicólogo explica com mais detalhes o transtorno que atinge Selena Gomez, Mariah Carey, Demi Lovato, Britney Spears, entre outros famosos

0
265

Entenda por que falas comuns podem banalizar a bipolaridade.

Entenda por que falas comuns podem banalizar a bipolaridade

Psicólogo explica com mais detalhes o transtorno que atinge Selena Gomez, Mariah Carey, Demi Lovato, Britney Spears, entre outros famosos

Várias celebridades já assumiram publicamente o diagnóstico de bipolaridade a fim de quebrar os preconceitos associados à distúrbios mentais. Mesmo assim, comentários como “você é bipolar”, ditos para alguém que mudou de humor rapidamente são muito comuns.

Tratar como trivial experiências vividas por quem sofre com esse diagnóstico é uma forma de banalização do transtorno. Estas situações contribuem para a desinformação e preconceito. Segundo Romário Santos, psicólogo da Clínica Mundo Neuropsi, a bipolaridade é uma condição clínica, psicológica, psiquiátrica e mental, caracterizada pelas mudanças extremas de humor, com sintomas de euforia, mania e até períodos de depressão profunda. Essas relações podem ser intensas e impactar de forma significativa a vida e o cotidiano daquele indivíduo.

Na maior parte dos casos, a bipolaridade afeta pessoas em todas as idades, podendo acompanhar o indivíduo em sua fase adulta. Nos diferentes quadros, que variam de acordo com o paciente, tanto as fases depressivas quanto as fases maníacas podem durar dias a até meses.  Além disso, por se tratar de um distúrbio complexo, a causa pode variar entre genética e ambientais.

Entenda por que falas comuns podem banalizar a bipolaridade

Entenda por que falas comuns podem banalizar a bipolaridade

Santos enfatiza que diferentemente da fase depressiva, caracterizada por falta de energia, pensamentos de baixo valor à vida e desmotivação, durante os episódios de mania, a pessoa experimenta um momento acentuado de energia, irritabilidade, impossibilidade, autoestima inflada e existe a possibilidade de se envolver em atividades de alto risco. Além disso, o especialista completa que pode também ocorrer pensamentos acelerados e dificuldade em manter o foco.

Romário também cita que atribuir diagnóstico a si mesmo e aos outros pode dificultar aqueles que realmente sofrem com a doença ao diagnóstico e tratamento adequado, uma vez que na maioria dos casos, o indivíduo em sofrimento não consegue acessar informações sobre si mesmo. Além disso, o transtorno bipolar não possui uma cura, no entanto, pode ser controlado com um método mais preciso, contando com uso de medicamentos, terapia e mudanças no estilo de vida. Também é importante que a família e pessoas próximas consigam identificar os possíveis sinais da doença para ajudar na conscientização do paciente e levá-lo ao cuidado adequado.

Serviço:

https://mundoneuropsi.com.br/

https://www.instagram.com/mundo.neuropsi/

 

 

 

 

 

Fonte:  Laura Mengucci / Assessoria de Imprensa
Fotos: Divulgação /Acervo Pessoal
Edição: Redação Na Mídia

Então, não deixe de ler:Galinha Pintadinha é a artista infantil mais ouvida do Spotify

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui