Pandemia do Sars-Cov-2 e o papel da imprensa. O papel da Imprensa e das instituições durante a pandemia.

O planeta vive a tormentosa epidemia do novo coronavírus. Atentos a sua evolução e o enfrentamento do surto, governos atuam com afinco onde o vírus se expande e está agressivo.

Autoridades se desdobram para proteger a população, em busca de alternativas e recursos para aplacar a dor e o sofrimento dos seus compatriotas.

Neste cenário inóspito, o papel da imprensa tem sido primordial.

A seriedade da notícia, a neutralidade é necessária, porém é preciso que a cobertura dos fatos reflita com exatidão as imagens e os textos.

Surto

Em janeiro deste ano a Associação Nacional e Internacional de Imprensa – ANI realizou na sede da Ordem dos Advogados do Rio de Janeiro, a palestra com abordagem ao surto do coronavírus.

“Fomos à primeira instituição que reuniu sob o tema, personalidades da área médica e de segurança.

Ao passo que agremiações de jornalistas se ocuparam em publicar matérias políticas, de crivo antagônico ao governo, e com isso corrompendo o sagrado (embora exista o direto ao contraditório), dever da imprensa atuar em meio a crise, voltadas para a sociedade, sem distinção de raça, ideologia e credos”, – assinala o presidente da Associação Nacional e Internacional de Imprensa – ANI, jornalista Roberto Monteiro Pinho.

Jornalismo sem qualidade

As redes sociais entopem os smartphones e caixas de mensagens dos notebooks e máquinas com informações duvidosas, criando uma atmosfera nada agradável para as pessoas.

“No entanto, as informações úteis a exemplo da confecção de máscara caseira e dados estatísticos, bem como medidas publicas das áreas da à saúde e economia, se ajustam a realidade” – enfatiza Monteiro.

Pandemia do Sars-Cov-2 e o papel da imprensaPandemia do Sars-Cov-2 e o papel da imprensa

Existe a ética na comunicação. “Um veiculo que tem concessão pública não deve usar seu espaço para sistematicamente tecer criticas ao presidente da República do Brasil, com o nítido objetivo de desestabilizar o governo, aproveitando o momento critico da saúde dos brasileiros, para então praticar o que eu chamo de imprensa marrom, já que adiante, a emissora a qual todos sabem, está prestes a renovar sua concessão e assim deseja, embora segundo já amplamente divulgado exista pendência fiscal, cujo valor, se quitado resolveria em boa parte a aflição de milhões de pessoas carentes e de baixa renda”. Argumentou o dirigente

Recursos para o isolamento social/ambientes virtuais

Assim, a política de isolamento adotada por vários países para conter o avanço do novo coronavírus (Sars-CoV-2) tornou o aplicativo Zoom preferido para muito mais gente.

Com bilhões de pessoas isoladas em suas casas, o aplicativo criado em 2013 como uma plataforma on-line para videoconferências ganhou novos usos.

Usos estes que vão, a princípio,  de reuniões entre amigos e familiares a festas de aniversário e bares virtuais.

Quanto tempo vai durar?

Segundo Zhong Nanshan epidemiologista de 83 anos que, em entrevista à Reuters, disse acreditar que o surto diminuirá em breve, já que o número de novos casos começou a cair em alguns lugares.

Assim, Nanshan ficou famoso por combater a epidemia da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), que assolou o mundo em 2003.

Recentemente,  ele afirmou que pode terminar em junho caso a comunidade internacional se mobilize contra a disseminação do Sars-Cov-2.

Mais informações, acessem o site da ANI Associação Nacional e Internacional de Imprensa: www.anibrasil.org.br

Foto: Divulgação / Arquivo Pessoal

Fonte: Núcleo de conteúdo da ANIBRPress

Leia também: O jornalismo brasileiro não pode ficar isolado

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui