Sucesso há 19 anos, peça traz depoimentos verídicos de mais de 200 mulheres sobre a sua relação com sua sexualidade.

Tudo abordado de maneira direta, livre de preconceitos e bem humorada.

De 10 de Agosto a 1º de setembro,sábados e domingos, às 18h, no Teatro Gazeta.

“OS MONÓLOGOS DA VAGINA”

OS MONÓLOGOS DA VAGINA no teatro Gazeta
Rebeca Reis, Maximiliana Reis e Cacau Melo. Foto de Pedro Veras
OS MONÓLOGOS DA VAGINA no teatro Gazeta
OS MONÓLOGOS DA VAGINA no teatro Gazeta

Com: Maximiliana Reis, Cacau Melo, Sônia Ferreira e Rebeca Reis

Direção: Miguel Falabella

Comemorando 19 anos de sucesso absoluto de crítica e público. A comédia Os Monólogos da Vagina continua encantando e emocionando plateias de todo Brasil.

Produzido em mais de 150 países e traduzido para mais de 50 idiomas o espetáculo tornou-se fenômeno mundial.

A estreia brasileira desse fenômeno teatral aconteceu em 07 de abril de 2000, no Teatro Clara Nunes, no Rio de Janeiro, com incrível sucesso de público e crítica.

A genialidade de Miguel Falabella na adaptação e direção do texto o tornou o primeiro diretor no mundo a escalar três atrizes para, ao mesmo tempo, encenarem as narrativas das entrevistas originais colhidas por Eve Ensler.

Essa concepção, a pedido da própria autora que esteve presente na estreia brasileira, foi adotada mundialmente em todas as produções e assim permanece até hoje.

Atualmente o elenco é formado por Maximiliana Reis, Cacau Melo, Sônia Ferreira e Rebeca Reis.

Atrizes consagradas, como Zezé Polessa, Cláudia Rodrigues, Cissa Guimarães, Fafy Siqueira, Totia Meirelles, Bia Nunes, Lucia Veríssimo, Tânia Alves, Elizângela, Mara Manzan, Chris Couto e Claudia Alencar, Adriana Lessa, dentre outras, se orgulham de um dia ter tido a oportunidade de encenar esse espetáculo.

Muito mais que um espetáculo teatral, Os Monólogos da Vagina tornou-se um Movimento Mundial.

Segundo Charles Isherwood, do The New York Times, “provavelmente a mais importante obra de teatro político da última década.”

OS MONÓLOGOS DA VAGINA no teatro Gazeta
Maximiliana Reis, Cacau Melo e Sonia Ferreira. Foto Tiago Oishi

Mas como surgiu este fenômeno?

A autora Eve Ensler escreveu o primeiro rascunho dos Monólogos em 1996, após entrevistar mais de 200 mulheres de vários países sobre sexo, relacionamentos, violência doméstica, estupro, etc.

Essas entrevistas se transformaram numa enorme fonte de pesquisa e informações.

Eve escreveu o texto para “celebrar a vagina”, mas o propósito do espetáculo transformou-se de uma simples performance comemorativa sobre vaginas e feminilidade em um enorme movimento mundial para acabar com a violência contra as mulheres.

A primeira temporada do espetáculo foi no teatro HERE Arts Center em Nova Iorque, e o que era para ter sido uma curtíssima temporada transformou-se rapidamente em um fenômeno ganhando extraordinária visibilidade através de uma enorme campanha popular e mídia espontânea.

O espetáculo, desde então, tornou-se fenômeno mundial, sendo inclusive apresentado em países Islâmicos, considerados muito fechados para tal contexto, incluindo Egito, Indonésia, Bangladesh, Malásia e Paquistão.

O texto ganhou em Nova Iorque o prêmio “Obie Award”, na categoria Melhor Espetáculo Inédito, e em apresentações beneficentes já teve em seu cast estrelas hollywoodianas, como Jane Fonda, Susan Sarandon, Glenn Close, Melissa Etheridge, Whoopi Goldberg e até Oprah Winfrey.

Por MIGUEL FALABELLA

Concepção Original e Adaptação                                                                                    

Os Monólogos da Vagina são depoimentos que Eve Ensler colheu pela vida afora como quem colhe flores, sem se importar com cor, forma ou perfume, apresentando esse arranjo múltiplo, ora como jornalista, ora como dramaturga, arrancando as mordaças das mulheres que habitam nosso planeta.

De início, a proposta de mergulhar neste universo e resgatar a liberdade e dignidade da expressão feminina me encantou, porque gosto de mulheres e sua interiorização, de sua vida secreta, de suas formas que sangram e se dilatam e nutrem toda a vida.

Esta peça é um resgate, um afago e um carinho para todas as mulheres e homens que se respeitam e tentam trilhar os difíceis caminhos de um grupo social injusto e desumano.

No país das bundas expostas nas bancas de revistas como carnes penduradas ao sol, as vaginas vão falar. Ao público, peço a delicadeza de escutar o seu discurso.

Sobre EVE ENSLER  – Autora

Escritora e ativista americana é autora da peça Os Monólogos da Vagina, que já foi traduzida para 50 idiomas e produzida em mais de 150 países.

Em 2004, Eve estrelou na Broadway em THE GOOD BODY, também de sua autoria.

Em 2006, lançou sua mais importante publicação, o livro INSECURE AT LAST, uma memória política.

No mesmo ano, coeditou A MEMORY, A MONOLOGUE, A RANT AND A PRAYER, uma antologia de textos sobre violência contra as mulheres.

Seu mais recente lançamento I AM AN EMOTIONAL CREATURE: THE SECRET LIFE OF GIRLS AROUND THE WORLD, em fevereiro de 2010, entrou para a lista de best sellers do The New York Times.

Dentre as peças de Eve estão: THE TREATMENT, NECESSARY TARGETS, CONVICTION, LEMONADE, THE DEPOT, FLOATING RHODA AND THE GLUE MAN and EXTRAORDINARY MEASURES.

Eve escreveu inúmeros artigos para Glamour Magazine, The Guardian, Marie Claire, Huffington Post, Washington Post, Utne Reader, e assina regularmente uma coluna na O Magazine, de Oprah Winfrey.

Dentre as várias conquistas, destacam-se um prêmio da Fundação Guggenheim e um “Obie Award”, um dos mais importantes prêmios de teatro de Nova Iorque.

Em novembro de 2009, Eve foi eleita uma das “Melhores Líderes” pela US News & World Report’s, em conjunto com o Centro para Liderança Pública da Harvard Kennedy School, e, em 2010, ela entrou para o ranking das “125 Mulheres Que Mudaram Nosso Mundo”, segundo a Good Housekeeping Magazine.

Inspirada por Os Monólogos da Vagina, Eve criou o “V-DAY”, um movimento feminista global para acabar com a violência contra as mulheres e jovens meninas, incluindo estupro, agressão física, incesto, mutilação genital feminina, exploração sexual, etc.

O “V-DAY” existe por uma única razão, a de acabar com a violência contra as mulheres.

MAXIMILIANA REIS Iniciou profissionalmente como atriz em 1983. Trabalhou e excursionou com a Cia. Arte Livre  por 9 países totalizando 320 cidades europeias conquistando 9 Festivais Internacionais. No Brasil obteve 06 premiações com o espetáculo “Draculinha” dentre eles: Melhor Atriz, Direção e espetáculo.

CACAU MELO  começou sua carreira na TV em 2004, no seriado Aprendendo a Empreender (Canal Futura). Em 2005, foi escolhida entre 300 jovens atrizes para participar da novela América (Rede Globo) e no ano seguinte foi convidada para o elenco de Amazônia – de Galvez a Chico Mendes, ambas de Glória Perez

SÔNIA FERREIRA – Atriz, locutora e produtora. Atualmente está no espetáculo, “Os Monólogos da Vagina”, de Eve Ensler, direção de Miguel Falabella, e também no filme longa, “A Moça do Calendário”, direção de Helena Ignês, nas séries, “Carcereiros”, na TV Globo, de Dráuzio Varela, com roteiro adaptado de Marçal Aquino e Fernando Bonassi, direção de José Eduardo Belmonte e Fernando Gronstein, e “A Lei”, no canal Space, direção de Tomas Portella e Adrian Caetano.

REBECA REIS Atriz, cantora e produtora de eventos por formação, começou profissionalmente nos palcos aos 7 anos em “A Patolândia”, atuou também nos espetáculos “O Pequeno Polegar”, “Planeta Sbrufs”, “Um punhado de Letras para Enfeitar os Cabelos de Tati”, pelo qual foi indicada ao prêmio FEMSA como melhor atriz revelação e “O Mágico de Oz” ambos com direção de Rony Guilherme ,“Chapeuzinho Vermelho e o Lobo” direção de Sebastião Apolônio, “A Bela e a Fera” direção de Alexandre Biondi, “O Sonho de um Natal Branco” com a Cia. Broadway Brasil e “Legally Blonde” espetáculo inteiramente em inglês dirigido por Jefferson Ventura.

SERVIÇO

OS MONÓLOGOS DA VAGINA

Texto: Eve Ensler

Direção de Atrizes: Maximiliana Reis

Adaptação, Concepção e Direção: Miguel Falabella

Elenco: Maximiliana Reis, Cacau Melo, Sônia Ferreira e Rebeca Reis

Temporada: de 10 de agosto a 1º de setembro,

sábados e domingos, às 18h.

Duração: 90 minutos

Classificação etária: 12 anos

Preço: R$ 80,00 inteira e R$ 40,00 estudantes, aposentados e idosos

Leia também São Paulo ganha CENTRO CULTURAL COREANO

3 COMENTÁRIOS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here