COMO UTILIZAR SOBRAS DE ALIMENTOS SEM RISCO

Há riscos na utilização de sobras de alimentos? Quem nunca se deparou com uma situação destas? Como por exemplo, as sobras daquele churrasco com os amigos, ou aquela porção da lasanha do domingo? 

Aquele restinho do almoço ou até mesmo, as sobras de carnes como Peru, Tender, Pernil, Chester, Frango, etc da Ceia de Natal ou da Passagem do Ano? Aquela sobrinha de salada de maionese?

E, então, o que fazer?

A princípio, vem aquela dúvida e os pensamentos de “É pecado jogar fora?””É um desperdício?”. Pois é, esta dúvida sempre nos atormenta, como utilizar sem riscos para nós ou para nossa família.

Assim, em primeiro lugar, o planejamento da utilização de sobras para o dia seguinte ou para outros dias começa no dia da preparação e distribuição dos alimentos.

Para tanto, é necessário alguns cuidados que devemos ter, como:

  • Não permitir que alimentos perecíveis permaneçam por mais de duas horas dentro de uma temperatura de risco (temperatura ambiente, ou entre 5ºC e 60ºC);
  • Ou, não guardar alimentos ou servir dentro das panelas que foram usadas para a produção;
  • Não manter por mais de duas horas sobre o fogão, com um paninho (aquele bordado) sobre os alimentos, confiando na sua capacidade de distinguir se o alimento está em boa condição ou não.

Há riscos na utilização de sobras de alimentos?

Há riscos na utilização de sobras de alimentos?

Lembre-se que nenhuma bactéria patogênica altera as características organolépticas (odor,
cor, textura) do alimento, estas alterações se dão por microrganismos deteriorantes que, na grande maioria das vezes são inofensivos, isto é, não causam doenças veiculadas por
alimentos (intoxicações, infecções alimentares ou toxinfecções).

Atente-se,  também, que existem bactérias (Staphylococcus aureus e Bacillus cereus) que,
após estas duas horas podem produzir toxinas (venenos) termoestáveis (que suportam altas temperaturas), não sendo eliminadas por reaquecimentos posteriores.

Isto é, alimentos perecíveis que permanecerem por mais de duas horas dentro de uma
temperatura de risco (ambiente, por exemplo), devem ser jogados fora.

Dentro destas duas horas, leve para a geladeira (que deve ser mantida a 4ºC), mesmo quente e, sempre descoberto – exatamente, nunca cubra os alimentos que leva para a geladeira – após duas horas de refrigeração, ai sim, podem ser cobertos.

Não esquecer também, que a farofa do recheio do peru ou qualquer outra ave, deve ser
refrigerada separadamente.

Há riscos na utilização de sobras de alimentos?

Bem, se você seguiu a risca todos estes pontos, o seu alimento poderá se manter em bom
estado por até 5 dias.

Assim, para períodos mais longos, congelar em freezer a menos 18ºC, a durabilidade aumentará
para 3 meses. Sempre descongelar dentro da geladeira.

No dia da utilização, reaquecer, pelo menos até 75 as 80°C (o alimento nesta temperatura
eliminará vapor em grande quantidade), não permitir que permaneça a temperatura
ambiente por mais de 2 horas e servir a vontade.

Sobrando?! Você deverá jogar fora. Afinal,  não vai querer usar a sobra da sobra não é mesmo?

Bom Apetite, praticamente isento de riscos.

 

 

Fotos: Divulgação / Arquivo Pessoal

Fonte: Divulgação

Dessa maneira, não deixe de ler: Leve seu pet para passear sem descuidar da higiene pública

 

Artigo anteriorMacron rejeitou pensão vitalícia a que teria direito
Proximo artigoSegundo WWF, Brasil seria o quarto maior produtor de lixo do mundo
Roberto Martins Figueiredo é Biomédico (no. 1003) e Conselheiro do CRBM (CRBM 1001-1). É uma das principais autoridades brasileiras em saúde pública e um dos maiores especialistas em higiene de alimentos. Especializado em Saúde Pública e em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas e em Engenharia da Qualidade pela Universidade de São Paulo (USP). Apresentou o quadro Dr. Bactéria, no Fantástico, Rede Globo. "Dr Bactéria no Hoje em Dia e no Tudo e Possível na Rede Record de TV e atualmente é contratado do Departamento de Jornalismo da Rede Record, programa Fala Brasil. . É diretor técnico da Microbiotécnica, Centro de Assessoria em Higiene e Saneamento Ambiental onde são realizadas pesquisas e análises de alimentos, utensílios e equipamentos, atendendo a indústrias de alimentos, cozinhas industriais e restaurantes. É instrutor em cursos de pós-graduação e Palestrante por Todo o Brasil. Consultor da Rádio Jovem Pan e possui 5 livros publicados

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here