“O CANGACEIRO” de Lima Barreta completa 65 anos

Há 65 anos atrás a Cinematográfica Vera Cruz, o primeiro movimento industrial do cinema brasileiro, apresentava”O Cangaceiro”, seu filme mais importante

0

“O CANGACEIRO” de Lima Barreta completa 65 anos

PAÍS SEM MEMÓRIA: “O CANGACEIRO” DE LIMA BARRETO COMPLETA  65 ANOS E PASSA DESPERCEBIDO

Por Mauricio Kus

 

Vanja Orico – “O Cangaceiro”

Há 65 anos atrás a Cinematográfica Vera Cruz, o primeiro movimento industrial do cinema brasileiro, apresentava”O Cangaceiro”, seu filme mais importante, que conquistou as telas do mundo e o primeiro a trazer um prêmio do Festival Internacional de Cannes, o mais prestigiado festival do mundo, em contraposição ao Oscar, que só premiava produções norte-americanas no período.

Inspirado na figura lendária do Lampião, foi dirigido por Lima Barreto, que morreu pobre e esquecido e teve diálogos criados por Rachel de Queiroz, que morreu num acidente aéreo ao lado do Marechal Castello Branco, o primeiro presidente da ditadura dos militares.

“O Cangaceiro” foi rodado em Vargem Grande do Sul, interior do estado de São Paulo. Lima Barreto dizia que a paisagem se parecia muito com a nordestina.

“O CANGACEIRO” de Lima Barreta completa 65 anos

Milton Ribeiro marcou do mesmo modo, tanto o papel de cangaceiro, que realizou mais alguns filmes de cangaço.

mas não conseguiu nenhum outro tipo no cinema.

Morreu jovem, com problemas cardíacos.

O filme foi vendido para a Columbia Pictures, que portanto,  cuidou de sua distribuição mundial. Só na França ficou cinco anos em cartaz.

Em Cannes, “O Cangaceiro” ganhou o prêmio de melhor filme de aventura  assim como,  de melhor trilha sonora, à cargo do Maestro Gabriel Migliori.

Vanja Orico, considerada a musa do cangaço, cantou dois sucessos que enlouqueciam os europeus durante a exibição do filme.

Acompanhada pelos Demônios da Garoa, Vanja cantou inicialmente, “Olé Muié Rendeira” e “Sodade, meu bem sodade”.

Vanja Orico, nome de batismo Evangelina Orico, nasceu no Rio de Janeiro em 15 de novembro de 1931, claramente.

Filha do diplomata e escritor da Academia Brasileira de Letras, Osvaldo Orico, é muito mais dessa forma, do que a musa do cangaço.

Variedade

Além de atriz, cantora, compositora, cineasta, ativista política, foi autora também, de um ato de coragem.

Que finalmente, comoveu o país, no dia 7 de novembro de 1968, durante o enterro do estudante Édson Luiz, morto pelas forças de repressão numa passeata no Rio de Janeiro, conclusivamente.

mkus@uol.com.br  

Leia também: Ministro das Comunicações diz que 5G será o assunto em 2021

 

 

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here