Início Entretenimento Arte e Cultura Fotógrafo André François e a filosofia Ubuntu

Fotógrafo André François e a filosofia Ubuntu

O fotógrafo brasileiro André François lança em outubro o livro Ubuntu, resultado do maior projeto desenvolvido pelo profissional, um trabalho de conexão com o outro e demais culturas.

0
Distribuição de medicamento antiretroviral ARV na vila Elia. Os pacientes foram até lá, pois a estrada que dá acesso à Semonkong estava fechada há dias por causa da nevasca. Como precisavam dos medicamentos, esperaram a visita dos profissionais MSF para a distribuição dos medicamentos. O Lesoto é um pequeno país encapsulado pela África do Sul, e seu território está situado nas montanhas — quase todo o país está a mais de 2 mil metros acima do nível do mar. O povo, chamado Basotho, conseguiu a independência depois de ser colônia inglesa, e resistiu aos holandeses (boers) na época de expansão do território sul-africano com o apoio da Inglaterra, mas perdeu grande parte de seu território, que hoje se configura em Free State, província da África do Sul. Seu rei e grande líder foi Moshoeshoe, e hoje o país é governado pelo neto de Moshoeshoe I, conhecido por Moshoshoe III. É um país de guerreiros das montanhas. O povo é diferente do da África do Sul. As pessoas são muito bonitas. A maior parte da população está concentrada em áreas rurais. No geral o país tem muitas pessoas vivendo em condições muito simples. As maiores riquezas do país são água e diamantes. O sistema de saúde é público e particular, mas o acesso aos serviços de saúde é um dos grandes desafios do país. O deslocamento de pessoas até o centro de saúde mais próximo renderá várias horas de caminhada e, às vezes, com o clima mais frio das montanhas, enfrenta-se dificuldades na locomoção devido às baixas temperaturas e neve. Nas montanhas é comum se ver os homens nos cavalos, os burros carregando sacos de milho, senhores com seus rebanhos de ovelhas ou vacas a andar pelas terras. As vilas são compostas de pequenas casas muito simpáticas, as roudavels, ou mokhoro, na lígua sesotho. O MSF (Medecins Sans Frontieres) está no país desde 2006. O projeto está focado em diagnosticar pacientes com HIV/Aids e iniciá-los no tratamento. O índice do pa

Fotógrafo André François e a filosofia Ubuntu.

Fotógrafo André François lança livro que reúne trabalho de 13 anos em 15 países pautado na filosofia africana Ubuntu

O fotógrafo brasileiro André François lança em outubro o livro Ubuntu, resultado do maior projeto desenvolvido pelo profissional, um trabalho de conexão com o outro e demais culturas. Ao longo de 13 anos, o fotógrafo registrou inúmeras iniciativas positivas na área da educação, saúde e cultura em comunidades de 15 países.

De lá para cá, o documentário fotográfico passou por transformações que complementaram ainda mais o tema, como a adaptação do mundo para o enfrentamento à pandemia de COVID-19.

Acesso à água, o cuidado ao meio ambiente e os direitos humanos também pautam o projeto. Realizado pelo Ministério do Turismo e ONG ImageMagica, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, o livro conta com o patrocínio das empresas AstraZeneca e Pfizer e com o apoio da AirLiquide.

Fotógrafo André François e a filosofia Ubuntu

A obra será lançada em 29 de outubro, às 9h, no Parque Linear Bruno Covas (São Paulo), durante evento que também abrirá a grande exposição do projeto. A abertura contará com a presença de André François e Paula Poleto para um bate-papo sobre o trabalho mediado pelo jornalista Mauro Trindade.

A mostra contará com imagens extraídas do livro, trazendo a experiência e conceito Ubuntu para os visitantes do parque. O horário de visitação da exposição é das 7h às 18h e segue até 29/01/2023.

O que une todo o projeto é a filosofia africana Ubuntu, que traz esse conceito de humanidade, pertencimento e comunidade. “Umntu ngumntu ngabantu”, provérbio sul-africano, explica bem: “Uma pessoa é uma pessoa por meio de outras pessoas”. Você é quem você é por causa da relação que tem com os outros ao seu redor. Ou simplesmente: eu sou porque nós somos.

O livro de fotografias documentais narra uma história do começo ao fim: com 95 imagens na edição principal, vai de registros de terra indígena Yanomami, no extremo norte do Brasil, a lugares como Haiti, depois do terremoto, Japão após o tsunami, China, países da África como Moçambique, Quênia, Ruanda e Burundi, até os acontecimentos da pandemia da COVID-19.

Fotógrafo André François e a filosofia Ubuntu

O projeto traz a reflexão de como o trabalho coletivo e comunitário pode transformar positiva-mente nossas vidas. Pelas lentes de André, as imagens registram comunidades ao redor do mundo e  conectam os espectadores a diversos pontos de vista, buscando as particularidades
de cada cultura e como elas vivem a partir do poder no “nós”. O fotógrafo também se propõe a radicalizar a verticalidade com que são feitas as fotografias: o livro exalta a importância dos ensinamentos que cada ser humano fotografado têm a oferecer.

Suon Heang, 25 anos, viúva, 3 filhos, HIV positiva
Quando chegamos em sua casa, várias crianças estavam brincando juntas. Seu vizinho estava lá, Choa Kim, também assistido pela SCC e HIV positivo. Ela mora com a mãe e os filhos. Perdeu o marido há 3 anos, quando ainda estava grávida do último filho. Com ajuda da SCC, ela conseguiu abrir um mercado em baixo de sua casa, onde vende um pouco de tudo: incensos, óleo de cozinha, açúcar, chocolates, shampoo, doces etc. Ela gosta de receber visitas da SCC, que a ajuda com comida e material escolar para as crianças.
Não é um livro sobre lugares

“Não é um livro sobre lugares, mas sim, sobre pessoas se conectando por meio de ações diversas. Normalmente viajamos para mostrar como as pessoas mundo afora têm uma vida simples e difícil, com o intuito de levar algo para elas. E eu acredito que com Ubuntu seja exatamente o contrário: essas pessoas muito simples têm muito a nos ensinar – elas têm essa sabedoria de viver do “nós” de uma maneira muito mais intensa do que a gente. Às vezes temos a sensação de que não precisamos de nada e de ninguém, e que funcionamos muito bem sozinhos; mas se lançarmos o olhar para as possibilidades que o coletivo traz, acredito que teríamos uma vida melhor”, comenta André.

Paula Poleto

A jornalista e idealizadora-parceira Paula Poleto selecionou mais de 60 mil imagens no decorrer do projeto e chama a atenção para o fato de, ao longo da obra, não haver imagens de pessoas sozinhas. Todos os temas abordados estão interligados e nos apresentam a importância da conexão humana para seguirmos adiante.

“Construir Ubuntu foi um esforço de entender como saúde, educação e cultura se relacionam a partir da interação humana. Nós nos perguntamos como poderíamos juntar fotos de desastres ambientais, com crises humanitárias e plantios no meio das favelas no Quênia. Foi no decorrer do trabalho que percebemos como André estava capturando a essência do ‘nós’”, disse Paula.

Junto com as capturas feitas em preto e branco, André foi a campo para registrar o importante trabalho das equipes de saúde durante e pandemia. Estas são as únicas imagens coloridas no projeto, trazendo o observador para o presente e reforçando a urgência da crise sanitária enfrentada.

Yanomami. Chegando na maloca, os xapores se reuniram para um ritual de cura. Às vezes mais de um xapore faz o ritual – cada um deles tem um espírito diferente que serve para um tipo de doença. Neste ritual, utiliza-se a yecuana, um pó alucinógeno extraído da madeira e de uma semente da floresta. Cada um assopra no nariz do outro por meio de um tubo a yecuana. Quando atinge-se o transe, o xapore entoa um canto que invoca os espíritos para poder expulsar a doença na seqüência. Vários xapores fizeram o ritual, um de cada vez invocando seu espírito. O som desse ritual é emocionante. AIS
Ajuda coletiva

“Quando trouxemos o enfrentamento contra a COVID-19 notamos que sem um trabalho de ajuda coletiva, não teríamos conseguido atravessar aquele momento. O que motivou as equipes de saúde que atuaram na linha de frente a arriscarem suas vidas todos os dias? Era realmente a doação de si para o outro”, completa a jornalista.  A edição de Ubuntu contou com a curadoria da holandesa Corinne Noordenbos, fotógrafa e educadora visual. Segundo André, a convivência profissional com a artista o “virou do avesso” e o fez conhecer melhor sobre como contar uma história completa por meio de imagens.

A autora de Everyday Ubuntu, Mungi Ngomane, escritora sul-africana e neta de Desmond Tutu, vencedor do Prêmio Nobel da Paz, também assina um texto em Ubuntu sobre a importância da conexão humana e o elo entre as pessoas.

Exposições

Além da exposição no Parque Bruno Covas, a principal do projeto, outros locais pelo Brasil também acontecem mostras de Ubuntu simultaneamente no mês de outubro: no Espaço Cultural Renato Russo, em Brasília (DF), na Estação de Metrô Campo da Pólvora, em Salvador (BA), no Conjunto Nacional, em São Paulo (SP) e na Estação Paulista do Metrô, também em São Paulo.

Hospice Africa Uganda, criado em 1993

Sobre André François

André François é um fotógrafo brasileiro, empreendedor social, autor de 7 livros e que há mais de 30 anos realiza documentários fotográficos pelo Brasil e pelo mundo. Em 1995, fundou a ImageMagica, ONG que desenvolve projetos de impacto social em todo o país.

Desde 2006, André realiza um amplo registro fotográfico na área da saúde, tendo visitado centenas de hospitais de instituições de saúde no Brasil e no mundo. Seu maior e mais recente projeto, Ubuntu, é resultado dos últimos 14 anos de trabalho. 

André é reconhecido e premiado por diversas organizações brasileiras e internacionais, como Prêmio Empreendedor Social, organizado pelo jornal da Folha de  S.Paulo em conjunto com a Fundação Schwab, Coleção Pirelli-Masp, Fundação Conrado Wessel, Organização das Nações Unidas (ONU), Organização Mundial da Saúde (OMS), Médicos Sem Fronteiras, entre outras.

Serviço:

Grande Exposição e Lançamento do livro
Dia: 29/10
Horário: 09h
Visitação
Local: Parque Linear Bruno Covas
Av. Magalhães De Castro, R. Pedro Avancine – Jardim Panorama, São Paulo – SP,
05679-160 – Próximo à passarela do Hub Global no Panamby (estacionamento no Hub
Global com acesso à passarela para o parque)
A partir de 29/10 até 29/01
Todos os dias, das 07h às 18h.

 

 

 

Foto: Divulgação / Andre François
Fonte: Divulgação
Leia: O submundo das eleições presidenciais no Brasil

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile